Luz e sombras: O cinema em Santa Catarina

Luz e sombra:

O Cinema no Estado como produção local e a história desde a chegada da primeira projeção, feita em 1897 na Praça XV de Novembro, em Florianópolis, são os temas da exposição Luz e Sombra: o cinema em Santa Catarina.

Sob curadoria do museólogo da FCC Renilton Roberto da Silva Matos de Assis, a exposição vai resgatar as primeiras salas de projeção do Estado, surgidas entre 1900 e 1910 em Florianópolis e no Vale do Itajaí. Dentre os primeiros filmes exibidos, destaca-se A Falsária, produção norte-americana do começo do século XX, que estará presente na mostra por meio de fotografias. Imagens de jornais de produções francesas, cujas cópias foram doada diretamente pelos pais do cinema, os irmãos Lumière, ao catarinense Frederico Guilherme Busch também estarão à disposição dos visitantes. Busch foi o primeiro cinematógrafo de Santa Catarina, iniciando sua operaração no começo dos anos 1900. ( Ainda dentro do aspecto histórico da exposição, o público poderá conhecer os filmes documentários do pioneiro Armando Carreirão, que mostram Santa Catarina nas décadas de 1940 e 1950. )

O trabalho de concepção, pesquisa e montagem da exposição começou ainda em março de 2012, com o objetivo de dar maior visibilidade ao trabalho desenvolvido pelo MIS/SC e colocar o rico acervo do museu mais perto do público. “O MIS/SC volta a cumprir um dos papéis básicos dos museus, que se dá, sobretudo, pela exposição”, destaca o curador.

Na parte que trata da produção local, a exposição faz menção ao primeiro longa-metragem catarinense. O Preço da Ilusão, filmado em 1957 em Florianópolis e lançado em 1958, tem roteiro de Salim Miguel e Eglê Malheiros, expoentes do Grupo Sul – movimento responsável por trazer o Modernismo a Santa Catarina. O longa inspirou ainda outras duas produções: O Filme que Ninguém Viu (de Marco Stroisch – 2002) e Desilusão (de Marco Stroisch e Bob Barbosa – 2008). Merecem espaço de destaque na mostra, ainda, a produção do Grupo Universitário de Cinema Amador (Guca) da Universidade Federal de Santa Catarina, além de uma lista dos filmes feitos entre 1956 e 1976 e, mais atualmente, das produções após a retomada do cinema catarinense, a partir da década de 1990.

Saiba mais sobre o MIS/SC

O Museu de Imagem e Som de Santa Catarina (MIS/SC) nasceu em 1998 para dar continuidade às atividades realizadas pelo Núcleo de Documentação Audiovisual, criado em 1989. Dentre os trabalhos desenvolvidos pelo MIS/SC estão a promoção, o incentivo e a execução de atividades culturais, especialmente no campo da comunicação audiovisual. Conta com um acervo de cerca de 10 mil discos de vinil e 2 mil discos de cera (os mais antigos são das décadas de 1920 e 1930), equipamentos como câmeras fotográficas antigas, filmadoras em Super 8 mm, gravadores, aparelhos de toca-discos e videocassetes, além de projetores de películas, gramofones e eletrolas.
Fonte: Assessoria de Comunicação FCC

Categorias